400 anos de são pedro da aldeia

É Tempo de Viver Bem

Diagnóstico do Plano Municipal de Saneamento Básico sugere investimentos

Por Renato Silveira em 24/07/2013
Imagem da Notícia: O II Seminário do Plano Municipal de Saneamento Básico, realizado na noite de terça-feira (23), apresentou um diagnóstico da situação atual do setor em São Pedro da Aldeia. Foram colocados dois cenários, ambos com prognósticos para daqui a 20 anos. No primeiro, como as coisas estarão caso a política atual seja mantida e, no segundo, como ficarão caso seja feitos os investimentos necessários apontados pelo estudo realizado pela empresa contratada.

O II Seminário do Plano Municipal de Saneamento Básico, realizado na noite de terça-feira (23), apresentou um diagnóstico da situação atual do setor em São Pedro da Aldeia. Foram colocados dois cenários, ambos com prognósticos para daqui a 20 anos. No primeiro, como as coisas estarão caso a política atual seja mantida e, no segundo, como ficarão caso seja feitos os investimentos necessários apontados pelo estudo realizado pela empresa contratada.



O vice-prefeito Iédio Rosa, representando o prefeito Cláudio Chumbinho, abriu a reunião afirmando que o chefe do Executivo aldeense pretende avançar na questão do saneamento durante o período em que estiver na Prefeitura.



“O sucesso da  administração é o sucesso da população. O prefeito Cláudio Chumbinho sabe da importância do saneamento para o desenvolvimento do município e deseja que esse trabalho seja bem sucedido e encontre soluções para esse problema” afirmou.


O seminário foi dividido em três tópicos: esgotamento sanitário, drenagem e resíduos sólidos. No primeiro, foi colocada a necessidade da construção da rede separativa, já que hoje a coleta do esgoto é feita na rede de drenagem, o que vem trazendo alguns problemas, embora, segundo os estudos da empresa, tenha diminuído, em curto prazo, o processo de degradação da Lagoa de Araruama. Esses investimentos chegariam a mais de R$ 350 milhões nos próximos 20 anos .


Segundo o estudo, a solução da drenagem, embora seja mais simples, carece da falta de uma lei federal, como as existentes para o saneamento e resíduos sólidos. Mesmo assim, os estudos indicam a necessidade de investimentos, que nos próximos 20 anos teriam de chegar a R$ 86 milhões.



Para a questão dos resíduos sólidos, os estudos sugerem a implantação do sistema de coleta seletiva, através de educação ambiental e organização dos cem catadores (número estimado) no município. O custo disso chegaria a cerca de R$ 12 milhões.


O estudo completo do PMSB encontra-se no site www.pmsblsj.wordpress.com, e já está disponível para consulta popular. Para que o município continue a receber recursos para saneamento, o plano tem de estar aprovado até o final de 2013, mas ainda acontecerão as consultas populares, aprofundamento dos estudos e uma grande audiência pública para apreciação final.


Participaram do seminário os secretários Júlio Berlandi, de Urbanismo e Adriana Saad, de Ambiente, Lagoa, Pesca e Serviços Públicos.