Brasão da Prefeitura Municipal de São Pedro da Aldeia com fita rosa dedicado ao mês de Outubro em razão da campanha Outubro Rosa.

Trabalho e desenvolvimento

Educação Matemática é tema de palestras em São Pedro da Aldeia

Por Marianne Rodrigues em 08/08/2018
Imagem da Notícia: O evento “Educação Matemática: Desafios e possibilidades”, realizado na última terça-feira (07), no Teatro Municipal Dr. Átila Costa, contou com a presença de 150 participantes de diversas localidades, que prestigiaram palestras de diversos temas dentro da Matemática. O evento foi uma iniciativa da Prefeitura de São Pedro da Aldeia, por meio da Secretaria de Educação, e coordenado pelo Centro de Formação Continuada Professora Ismênia Trindade dos Santos (CEFOR). O evento teve como objetivo contribuir para o enriquecimento dos conhecimentos acerca dos conceitos matemáticos, além de abordar as práticas pedagógicas de ensino e aprendizagem atuais.

O evento “Educação Matemática: Desafios e possibilidades”, realizado na última terça-feira (07), no Teatro Municipal Dr. Átila Costa, contou com a presença de 150 participantes de diversas localidades, que prestigiaram palestras de diversos temas dentro da Matemática. O evento foi uma iniciativa da Prefeitura de São Pedro da Aldeia, por meio da Secretaria de Educação, e coordenado pelo Centro de Formação Continuada Professora Ismênia Trindade dos Santos (CEFOR). O evento teve como objetivo contribuir para o enriquecimento dos conhecimentos acerca dos conceitos matemáticos, além de abordar as práticas pedagógicas de ensino e aprendizagem atuais.



Iniciando o ciclo de palestras, o secretário de Educação, sociólogo e doutor em lógica, professor Walzi Sampaio, abordou a temática “Matemáticas não convencionais: implicações psicopedagógicas”.



“Este evento segue oportunamente esta direção, investigando alternativas, ponderando o sistema em uso. As palestras favoreceram uma atitude especulativa ascendente entre os professores. A ideia é favorecer e antecipar futuras tendências em pensamento matemático e sua propedêutica”, afirmou o Secretário de Educação do município.


Dando sequência à programação, o mestre em ciências da educação, professor Luis Carlos Rocha Porto, ministrou a palestra “A Matemática na música”. Na ocasião, foi realizada uma dinâmica envolvendo palmas, notas musicais e apresentação musical com alunos. “A inversão do pensamento pitagórico, partindo da música, pode promover motivação pelo estudo da Matemática”, disse o palestrante.




Professora da rede, Elizabeth Gomes, conhecida como Bethemática, abordou dois temas “Jogos Matemáticos como prática pedagógica inclusiva” e “Escola, lugar de letramento e numeramento”. Para a Bethemática, a participação em simpósios renova os ânimos e aprimora o trabalho realizado em sala de aula. “Começamos a refletir sobre a prática pedagógica e, quando reflito sobre a minha prática, encontro caminhos alternativos, metodologias diferenciadas e quem sai ganhando com isso é o aluno. Esse é o objetivo final do educador, fazer com que o aluno tenha um potencial adquirido ao final do período”, declarou.  



A especialista em Educação Especial, orientadora Educacional e psicopedagoga, Mariza Brum, enfocou o tema “Matematicando à brincadeira” e, fechando o ciclo de palestras, a psicóloga e neuroeducadora, Andréa Almeida, trouxe a temática “Neuróbica: relevância dos jogos nas funções cerebrais”.




A diretora do Centro de Formação Continuada, Nilcilene Silva, falou sobre a iniciativa do evento. “A realização do simpósio teve seu foco no biênio da Matemática 2017/2018 Gomes de Sousa, destacando a importância do seu conhecimento para o nosso dia a dia. Ainda que o conteúdo da matemática seja recebido com dificuldade pelos alunos, pois requer dos mesmos uma atenção especial e um raciocínio amplo, o professor deve apresentar meios que facilitem essa aprendizagem utilizando formas modernas, atuais e contextualizadas”, comentou.



No intervalo de cada palestra foi realizado sorteio de jogos matemáticos e pausa para saborear o coffee break. Encerrando a programação, os alunos da Escola de Artes Municipal apresentaram coreografia de dança urbana e jazz streetA declaração de participação no evento será enviada para o e-mail dos inscritos em até cinco dias.




Professora do município de Macaé, Fernanda Marinho participou dos dois turnos do evento e falou sobre os benefícios da ação. “Eu trabalho com apoio pedagógico, com crianças que possuem transtornos de aprendizagem. Aprendi dicas de como trabalhar de forma diferenciada, estimular justamente o raciocínio lógico e trabalhar o estímulo da aprendizagem”, finalizou.