400 anos de são pedro da aldeia

É Tempo de Viver Bem

Governo ultrapassa metas em Saúde e reduz despesa com pessoal

Por Renato Silveira em 31/05/2013
Imagem da Notícia: A prestação de contas do primeiro quadrimeste da atual administração da Prefeitura de São Pedro da .Aldeia mostrou bons números. De acordo com a apresentação, feita pelo secretário de Gestão Estratégica, Paulo César e pela Controladoria Geral, Luciana Leite, os investimentos em Saúde estão hoje na ordem de 21,22% dos impostos e transferências constitucionais, bem acima dos 15% previstos por lei. E nas despesas com pessoal, quando o número máximo tolerável é 54% e o indicado, 51,3%, o governo gastou apenas 50,76%, tornando possível o recente aumento salarial anunciado para o funcionalismo, bem como organização para realização de concurso público

A prestação de contas do primeiro quadrimestre da atual administração da Prefeitura de São Pedro da Aldeia mostrou bons números. De acordo com a apresentação, feita pelo secretário de Gestão Estratégica, Paulo César e pela Controladoria Geral, Luciana Leite, os investimentos em Saúde estão hoje na ordem de 21,22% dos impostos e transferências constitucionais, bem acima dos 15% previstos por lei. E nas despesas com pessoal, quando o número máximo tolerável é 54% e o indicado, 51,3%, o governo gastou apenas 50,76%, tornando possível o recente aumento salarial anunciado para o funcionalismo, bem como organização para realização de concurso público. 


“Com esses números fizemos as contas e pudemos anunciar o reajuste tão esperado pelos funcionários” , explicou Paulo César.



Segundo o secretário, as metas fiscais foram fixadas pelo governo anterior, ou seja, o resultado da gestão deverá ser levado em consideração o alto valor inscrito em restos a pagar (como por exemplo despesa com limpeza pública, dívidas trabalhistas, folha de pagamento referente ao mês 12/2012).



Em relação aos investimentos em saúde, o secretário explicou que é necessário ultrapassar a meta dos 15%, pois a saúde demanda muito mais despesas. 



“Não dá para segurar as necessidades da saúde investindo apenas 15%, como manda a lei. Temos de gastar mais”, afirmou. 



A apresentação mostrou um crescimento na arrecadação própria na ordem de 5,68%, em comparação ao primeiro quadrimestre de 2012. Já em relação aos repasses constitucionais e legais o aumento foi de 18,53%.