Brasão da Prefeitura Municipal de São Pedro da Aldeia com fita azul dedicado ao mês de Novembro em razão da campanha Novembro Azul.

Trabalho e desenvolvimento

Banner: Processo Seletivo Simplificado da Secretaria de Saúd

Médicos aldeenses participam de roda de conversa sobre Diabetes

Por Luana Macêdo em 06/06/2019
Imagem da Notícia: Nesta quinta-feira (06), médicos da rede municipal de Atenção Básica participaram de uma roda de conversa sobre diabetes, no Cine Estação, localizado no Centro de São Pedro da Aldeia. O encontro foi comandado pela endocrinologista Mariana Borges e contou ainda com a presença de Luciana Bueno, diretora de Educação Permanente da Secretaria de Saúde.


Nesta quinta-feira (06), médicos da rede municipal de Atenção Básica participaram de uma roda de conversa sobre diabetes, no Cine Estação, localizado no Centro de São Pedro da Aldeia. O encontro foi comandado pela endocrinologista Mariana Borges e contou, ainda, com a presença de Luciana Bueno, diretora de Educação Permanente da Secretaria de Saúde.


Durante a roda de conversa foram expostos assuntos, como mudança no cotidiano do paciente, diagnóstico do diabetes, estímulo aos exercícios físicos, Hiperdia, tratamento, controle do diabetes, educação do paciente quanto a doença, dieta, memória metabólica, complicações, alimentos mais indicados, entre outros temas.


A endocrinologista Mariana Borges falou sobre a importância do médico generalista na orientação e no diagnóstico do paciente.


“É muito importante o clínico-geral também estar à frente do cuidado desse paciente, pois a incidência de diabetes é muito grande em todo o país, a cada dia o número de diagnósticos cresce. Se trata de uma doença grave e que precisa de controle, é importante que casos básicos sejam administrados já com o clínico-geral. Quando um paciente descobre o diabetes é preciso que se mude o estilo de vida. É uma conscientização de vários momentos, falando da importância de certos alimentos, de se exercitar e de seguir as orientações. O diabetes se torna ainda mais perigoso por não apresentar sintomas, então o paciente diz estar bem e acha que pode fazer o que quiser, comer e beber de tudo”, destacou.