UBV-Fumacê complementa ações de combate ao Aedes Aegypti em São Pedro da Aldeia

Eliminação dos criadouros nas casas ainda é a principal forma de prevenção à dengue, zika e chikungunya

Apesar de ser uma das ferramentas mais requisitadas no combate ao mosquito Aedes Aegypti, o Ultra Baixo Volume (UBV), popularmente conhecido como fumacê, é utilizado como uma estratégia complementar ao trabalho da equipe de Vigilância Ambiental e dos agentes de combate a endemias contra o mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya. Isto porque o inseticida, nebulizado durante a passagem do “carro-fumacê”, atinge o mosquito somente na fase adulta. Segundo o Ministério da Saúde, a medida mais eficaz de controle e prevenção é no estágio larvário, através da eliminação de água acumulada no ambiente intradomiciliar.

Conhecido como “fumacê”, a técnica consiste na aplicação de inseticida em Ultra Baixo Volume (UBV)
Foto: Renato Fulgoni

A coordenadora de Vigilância Ambiental de São Pedro da Aldeia, Dayana Flavia Oliveira, explica que o carro-fumacê é utilizado em regiões do município onde o índice de infestação de Aedes Aegypti está em níveis epidêmicos. As normas técnicas para o uso seguem as condições climáticas e os horários adequados para maior eficácia da ação, que são das 5h às 7h e das 17h às 19h.

“O controle de UBV não é preventivo, ele é uma medida complementar que atinge o mosquito na sua fase alada, já adulto e voando. É importante deixar claro que o UBV percorre os bairros indicados pelo LIRAa, o Levantamento do Índice Rápido do Aedes Aegypti, ou seja, as áreas que têm maior infestação e ocorrência de focos do mosquito. O uso do UBV também segue critérios técnicos padronizados pelo Ministério da Saúde e a sua aplicação só pode ser feita dentro dos períodos estabelecidos e de acordo com fatores climáticos. Se estiver em condições de chuvas constantes ou ventos acima de 6 km/h, a máquina não pode passar”, esclareceu.

O UBV é aplicado prioritariamente nas regiões com índice de infestação superior a 1%, indicadas pelo LIRAa
Foto: Renato Fulgoni

Controle com pulverizador costal

Os pulverizadores costais motorizados são outros aliados no enfrentamento à proliferação do mosquito transmissor em São Pedro da Aldeia. O trabalho de pulverização de inseticida com o auxílio da bomba costal é realizado pela equipe de controle químico nos locais com intensa circulação de vírus, após análise de indicadores epidemiológicos.

Equipe de Bloqueio Químico atua com bombas costais para controle de pragas urbanas
Foto: Renato Fulgoni

“Esse tipo de bloqueio é feito de forma localizada, nos chamados Pontos Estratégicos, nos quais temos notificações de focos, como borracharias, terrenos baldios, ferros-velhos e floriculturas, onde apenas o agente de combate a endemias não consegue atender porque a área é muito grande”, explicou Daiana.

Diferente do Bloqueio Químico, os agentes de combate a endemias inspecionam manualmente os quintais e auxiliam os moradores a eliminar possíveis focos larvários
Foto: Renato Fulgoni

Como denunciar

Para fazer denúncias sobre criadouros do mosquito em terrenos baldios ou imóveis em situação de abandono, a população deve abrir um processo administrativo (gratuito) no setor de Protocolo, que fica localizado na sede da Prefeitura. O atendimento ao público acontece de segunda a sexta-feira, das 9h às 16h30. Para abrir um processo, basta apresentar cópias de documentos pessoais (RG e CPF) e comprovante de residência. O setor de Vigilância Ambiental também atende pelo telefone (22) 2627-6709.

Confira algumas das principais medidas de prevenção e combate ao Aedes Aegypti recomendadas pelo Ministério da Saúde:

  • Manter bem tampado tonéis, caixas e barris de água;
  • Lavar semanalmente com água e sabão tanques utilizados para armazenar água;
  • Manter caixas d’agua bem fechadas;
  • Remover galhos e folhas de calhas;
  • Não deixar água acumulada sobre a laje;
  • Encher pratinhos de vasos com areia ate a borda ou lavá-los uma vez por semana;
  • Trocar água dos vasos e plantas aquáticas uma vez por semana;
  • Colocar lixos em sacos plásticos em lixeiras fechadas;
  • Fechar bem os sacos de lixo e não deixar ao alcance de animais;
  • Manter garrafas de vidro e latinhas de boca para baixo;
  • Acondicionar pneus em locais cobertos;
  • Fazer sempre manutenção de piscinas;
  • Tampar ralos;
  • Colocar areia nos cacos de vidro de muros ou cimento;
  • Não deixar água acumulada em folhas secas e tampinhas de garrafas;
  • Vasos sanitários externos devem ser tampados e verificados semanalmente;
  • Limpar sempre a bandeja do ar condicionado;
  • Lonas para cobrir materiais de construção devem estar sempre bem esticadas para não acumular água;
  • Catar sacos plásticos e lixo do quintal.
Fechar Acessibilidade