Exposição de bordados sobre a Casa da Flor é aberta em São Pedro da Aldeia

Produtos artesanais da mostra “Bordando o Sonho, a Flor e a Casa” podem ser conferidos de perto até o fim do mês na Casa da Cultura
Foto: Bruninho Volotão

Já está aberta para visitação gratuita, na Casa da Cultura, a exposição de artesanato “Bordando o Sonho, a Flor e a Casa”. A mostra, assinada pelo coletivo das Bordadeiras de São Pedro da Aldeia, apresenta mais de 60 bordados que retratam a história da Casa da Flor, patrimônio histórico e cultural da cidade, e do seu criador, o artista Gabriel Joaquim dos Santos. Até o fim de setembro, de segunda a sexta-feira, das 9h às 17h, o público poderá conferir de perto as obras.

Foto: Raíra Morena/Cultura PMSPA

“A exposição está lindíssima. Pela primeira vez, vemos a história de Gabriel Joaquim dos Santos, que dá nome à nossa Casa da Cultura, contada através da arte do bordado. É uma excelente oportunidade não só para apreciar e valorizar o artesanato local, mas também para mergulhar na história da vida e obra desse artista tão importante para a formação da identidade cultural da nossa cidade”, destacou o secretário adjunto de Cultura, Thiago Marques.

O secretário de Cultura participou da abertura da exposição, marcada por uma live transmitida pelo Facebook
Foto:
Bruninho Volotão

Para evitar aglomerações, a visitação à exposição é restrita a grupos de até cinco pessoas por vez. Para entrar, o visitante também precisa estar de máscara de proteção facial. Algumas peças, como chaveiros, toalhas de mão, toucas, panos de prato e utilitários diversos, também poderão ser adquiridas pelos visitantes por valores simbólicos, a partir de R$ 2.

Peças de artesanato poderão ser adquiridas por preços simbólicos
Foto:
Raíra Morena/Cultura PMSPA

A artesã e uma das fundadoras do coletivo, Rosângela Guimarães, explica que a iniciativa faz parte do projeto “Bordado Solidário”, que reverte todo o valor arrecadado com a venda dos produtos para a compra de alimentos e cobertores, que depois são encaminhados para famílias carentes do município. “Desde 2018, quando começamos o nosso grupo, nós fazemos esse trabalho social. Não bordamos somente pela cultura, pelo prazer e pelo bem-estar de estarmos reunidas, mas principalmente para ajudar quem mais precisa”, disse.

Projeto Bordado Solidário reverte a renda arrecadada com a venda das peças para a compra de alimentos não perecíveis
Foto:
Raíra Morena/Cultura PMSPA

De abril a setembro, as bordadeiras já distribuíram cerca de 70 quilos de alimentos não perecíveis e, ao todo, 16 cobertores foram entregues.

Abertura oficial

Para marcar a abertura oficial da mostra de bordados, a Secretaria Adjunta de Cultura promoveu uma live com a participação de algumas artesãs, que compareceram à Casa da Cultura representando o coletivo. A programação contou com sorteio de livros e brindes,além de bate-papo com as bordadeiras. Na ocasião, as convidadas contaram sobre o processo de produção das peças, suas experiências com a prática do artesanato e aproveitaram, ainda, para apresentar ao público o mais novo projeto literário do coletivo: o livro “Bordando o Sonho, a Flor e a Casa”, que inspirou a montagem da exposição.

Durante a live, as artesãs falaram sobre o trabalho solidário com o bordado em São Pedro da Aldeia
Foto:
Bruninho Volotão

Viabilizado com recursos da Lei Aldir Blanc, o livro ilustrado traz os desenhos feitos com linhas, tecido e agulha que, juntos, resgatam a história de Gabriel e da Casa da Flor – edificação construída pelo artista no século XX, tombada como patrimônio cultural em nível estadual e federal. O livro já está disponível para consulta na Biblioteca Municipal e alguns exemplares também ficarão expostos durante todo o mês de setembro.

Integrantes do coletivo das Bordadeiras
Foto:
Bruninho Volotão

Um dos destaques da exposição são as chamadas “Narrativas Bordadas”, que reproduzem, fio a fio, as anotações de “seu Gabriel” em seus cadernos, escritos entre 1920 e 1980. Nas páginas, o artista mesclava fatos ordinários do cotidiano, da comunidade onde vivia, no Vinhateiro, e relatos de marcos da história regional, das condições de trabalho nas Salinas e as lutas trabalhistas da época.

Telas de bordado reproduzem as páginas dos cadernos escritos por Gabriel Joaquim dos Santos
Foto:
Raíra Morena/Cultura PMSPA

Além de retratos bordados do artista, a exposição também traz elementos característicos da arquitetura da Casa da Flor. “A ideia foi unir a representatividade do bordado, que se faz com linhas e pontos, com a arte do sr. Gabriel, que, como ele mesmo disse, ‘bordou’ a Casa da Flor com caquinhos”, explica Kátia Carvalho, artesã e instrutora.

Bordados contam a história da Casa da Flor e do seu criador
Foto: Raíra Morena/Cultura PMSPA

Para a exposição, a decoração ganhou ainda um toque especial com a presença de uma maquete da Casa da Flor e de uma escultura feita pelo artista plástico Flávio Rangel, que reproduz a pedra esculpida pelo próprio Gabriel, na entrada do monumento. Os visitantes também terão a oportunidade de experimentar a prática do bordado, de forma lúdica, em um grande bastidor instalado no salão da Casa da Cultura.

Exposição ganhou um grande bastidor para ser bordado pelos visitantes. Suporte de madeira é uma das ferramentas mais utilizadas na prática do artesanato
Foto:
Divulgação

Clique AQUI para conferir a live na íntegra, transmitida pela página da Secretaria Adjunta de Cultura no Facebook.

Detalhes bordados dos textos de Gabriel e da arquitetura da Casa da Flor
Foto: Divulgação
youtube views kaufen
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email