São Pedro da Aldeia celebra Dia da Consciência Negra com entrega do 1º Prêmio Zumbi dos Palmares

Evento foi realizado em Sessão Solene da Câmara Municipal, com a presença de diversas autoridades, familiares e homenageados

A Secretaria de Assistência Social e Direitos Humanos de São Pedro da Aldeia promoveu o 1º Prêmio Zumbi dos Palmares. O evento foi realizado em Sessão Solene da Câmara Municipal, com a presença de diversas autoridades, familiares e homenageados. A cerimônia ocorreu em celebração ao Dia da Consciência Negra e contou com parceria com a Associação de Mulheres Afrodescendentes (AMANS).

A programação teve início com as boas-vindas da representante da equipe de Direitos Humanos, Paula Azevedo, que enfatizou a importância da data e a valorização do homem negro em nossa sociedade. Logo após, a Presidente da Associação de Mulheres Afrodescendentes Nair de Souza- AMANS, Luzia de Souza Pereira, contextualizou o papel da mulher negra e os seus desafios diante de uma sociedade racista.

A Diretora do Departamento de Direitos Humanos, Luciana de Oliveira, destacou a responsabilidade do Sistema Único de Assistência Social na prevenção e combate ao racismo, onde todos nós precisamos estar atentos à dimensão racial das vulnerabilidades como a pobreza e a insegurança alimentar e de violações de direitos como o trabalho infantil e a violência doméstica.

Em seguida, a secretária adjunta de Assistência Social, Thuany Pavão, agradeceu a presença de todos e reforçou que a Secretaria de Assistência Social e Direitos Humanos está empenhada em desenvolver ações afirmativas de combate ao racismo. 

Esteve presente também, o assessor Edmilson Bittencourt. O evento contou com a apresentação artística do grupo de dança Angatu, formado pelos profissionais da Escola de Artes e pelo Centro Cultural Axé Magia de Capoeira. A palestra foi ministrada pelo presidente do Conselho Estadual dos Direitos do Negro (CEDINE), Luiz Eduardo de Oliveira, mais conhecido como Negrogun. Ele enfatizou a valorização do negro em nossa sociedade, o quanto contribuem para o crescimento do país e sobre a importância do amor. 

Logo após, foram entregues os certificados aos homenageados, sendo escolhidos para o 1º Prêmio Zumbi dos Palmares, algumas representações significativas do município.

A secretária adjunta Thuany Pavão, enfatizou que este foi o primeiro prêmio Zumbi dos Palmares e que outros virão a fim de valorizar e potencializar os homens negros que contribuíram para a cidade. 

Na oportunidade, Luzia de Souza Pereira, da AMANS, relatou que foi convidada para fazer essa parceria com a Secretaria de Assistência Social e Direitos Humanos. “Já fazemos o Prêmio Dandara há oito anos e tínhamos o interesse em fazer um Prêmio Zumbi e fizemos juntos. Foi um trabalho maravilhoso com pessoal engajado que fez acontecer. Eu só me orgulho, estando hoje como Presidente da AMANS”, declarou. Ao final do evento, todos foram convidados para uma confraternização com coffee break. 

Dentre os homenageados estão os secretários de Planejamento e Gestão, Paulo Cesár de Souza, de Serviços Públicos, Raimundo Pereira Teixeira, além do superintendente do Previspa, Mario Cesar Cordeiro Pereira. Também receberam o prêmio Rogério Laurentino da Silva, Ubirajara Ramos Barenco, Rodrigo de Carvalho Brasil, Dimas Tadeu de Oliveira Dias, Wagner de Souza Muniz, Roberto dos Santos, Sérgio Rodrigues dos Santos, Carlos Eduardo Oliveira da Silva, Tiago dos Santos Conceição, Ednilson Nunes da Silva, Inácio Costa, Juliano Alves de Souza, Mário Márcio dos Santos Soares e Ediel Telles dos Santos.

Quem foi Zumbi dos Palmares

Filho de africanos escravizados e nascido em quilombo, Zumbi foi educado por um sacerdote e retornou ao seu local de nascimento, com o intuito de proteger o local e oferecer suporte aos escravos que conseguiam escapar dos senhores de engenho.

Em 1695, então com 40 anos, Zumbi foi assassinado pelo capitão Furtado de Mendonça, a mando de Domingos Jorge Velho. Foi decapitado e teve sua cabeça levada para Recife, onde ficou exposto em praça pública.

A primeira lei criada para garantir o direito dos negros foi a Lei do Ventre Livre, instituída em 1871. Ela concedia liberdade aos filhos dos escravos nascidos após a lei. Depois de 14 anos, em 1885, foi criada a Lei dos Sexagenários, que dava liberdade aos escravos com mais de 60 anos de idade. A Lei Áurea, assinada pela Princesa Isabel em 13 de maio de 1888, foi responsável pela libertação dos escravos.

O Dia da Consciência Negra surgiu para o reconhecimento dos negros, suas lutas, conquistas e tudo o que passaram desde o período colonial do Brasil. Além disso, a data homenageia aqueles que lutaram pelos direitos da etnia e seus principais feitos.

Seu cadastro foi realizado

Mais informações serão enviadas para o e-mail que foi cadastrado 

Agradecemos por participar do Censo LGBTQIA+

As informações coletadas serão importantes para quantificar a demanda de atendimento por parte da Secretaria de Assistência Social para a população LGBTQIA+

Se você deseja fazer um agendamento para atendimento com a nossa coordenadoria LGBTQIA+ Clique Aqui