SASDH discute Ações Estratégicas para o Enfrentamento a Automutilação e ao Suicídio no município

Categorias

SASDH discute Ações Estratégicas para o Enfrentamento a Automutilação e ao Suicídio no município

A Secretaria de Assistência Social e Direitos Humanos (SASDH) realizou nesta terça-feira (23), em sua sede, a primeira reunião para discutir “Ações Estratégicas Voltadas Para o Enfrentamento a Automutilação e ao Suicídio Para o Público Infanto Juvenil no Município”.  O encontro contou com a presença da Secretária Adjunta da SASDH, Olívia Sá, a Coordenadora do Laboratório da Saúde Mental, Rosemery Callazas e a Coordenadora da Orientação Educacional, Samira Costa, que representaram as Secretarias de Saúde e Educação, respectivamente. A próxima reunião está marcada para o dia primeiro de agosto, no mesmo local. Na ocasião, será fechada a programação para o 1º Fórum Intersetorial Sobre Prevenção a Automutilação e ao Suicídio, marcado para setembro.

“Convocamos esta reunião com a presença dos representantes das Secretarias de Saúde e de Educação, porque precisamos juntos traçar ações de enfrentamento a automutilação e ao suicídio no nosso município. Somente atuando em conjunto iremos chegar a este público, que por muitas vezes sofre calado por falta de informação. Cabe a todos nós, ao observarmos os sintomas, acessar os dispositivos disponíveis para ajudar os que estão passando por este problema. Nos colocamos à disposição da sociedade e dos profissionais que trabalham com o público infanto juvenil”, explicou a Secretária Adjunta da SASDH, Olívia Sá.

“Sabemos que o profissional da educação, muitas vezes, é o primeiro a observar os sintomas. Neste caso, é dever do professor comunicar ao orientador educacional, que irá fazer a sondagem do aluno, abrir o diálogo, comunicar a família e fazer o encaminhamento para os dispositivos da Secretaria de Saúde. Este é o caminho a ser feito pelo profissional que perceber uma gravidade de automutilação ou suicídio no ambiente escolar, só assim iremos ajudar nossos alunos”, falou a Coordenadora da Orientação Educacional, Samira Costa.

De acordo com Rosemere Callazas a Secretaria de Saúde tem realizado diversos atendimentos mensais a pessoas que estão passando por estas gravidades. “É notório o aumento na demanda neste tipo de atendimento, e agindo de forma intersetorial iremos de uma forma mais organizada e rápida oferecer os acessos à rede. Temos profissionais especializados e métodos específicos para atender este público”, informou.  

De acordo com estudo realizado no Brasil, a taxa de suicídio de jovens entre 10 e 19 anos aumentou 24% nas seis maiores cidades brasileiras: Porto Alegre, Recife, Salvador, Belo Horizonte, São Paulo e Rio de Janeiro. O estudo indica que o suicídio é até três vezes maior entre jovens do sexo masculino. Os pesquisadores da Unifesp utilizaram dados do SUS (Sistema Único de Saúde), do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) e do Coeficiente Gini (que mede desigualdade) para chegar às conclusões. Eles apontam a popularização da internet e as mudanças sociais como umas das principais razões para esse aumento. 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email
Fechar Acessibilidade