Com o objetivo de dar continuidade às ações de arborização no município, na quarta-feira (17) os integrantes do grupo de trabalho do “Arvorecer” definiram uma nova data de lançamento do projeto. O Dia D foi marcado para 30 de maio com um mutirão de plantio de mudas de árvores nativas e exóticas na entrada e na praça do bairro São João. A iniciativa vai complementar o trabalho de arborização já iniciado no local, visando oferecer maior sombreamento e recompor a paisagem natural. A iniciativa vai envolver a participação de alunos da rede pública e particular, além de grupos voluntários e escoteiros. O projeto é fruto de uma parceria entre a Prefeitura de São Pedro da Aldeia, iniciativa privada e sociedade civil organizada.



“O plantio que fizemos na entrada do bairro São João já mudou muito o aspecto daquele local; foi o pontapé inicial desse trabalho como uma forma de chamar a atenção para o projeto. A ideia, no Dia D, é envolvermos também a Paróquia, a comunidade local e as escolas do bairro, atendendo à expectativa de todos. A conscientização de todos os setores da sociedade é primordial para a continuidade das ações e daí a importância de termos parceiros”, destacou o secretário de Agricultura, Abastecimento, Trabalho e Renda (Sagat), Dimas Tadeu.



            No São João, a primeira etapa de plantio contemplou uma extensão de cerca de 70 metros lineares nos dois lados da entrada do bairro. O local recebeu preparação prévia do solo, visando a acomodação das mais de 100 mudas de ipê de jardim, de espécies variadas. “Por serem espécies de porte pequeno, de fácil cuidado e controle, os ipês são ideais para a composição paisagística. Além de serem árvores muito bonitas e resistentes, suas raízes não danificam a calçada”, explicou Dimas. A próxima etapa deverá incluir a praça e será realizada em formato de mutirão.



            Realizada na sede do Horto Escola Artesanal, a reunião do grupo de trabalho discutiu, entre outros temas, o planejamento de visitas às escolas do bairro para a apresentação do projeto; estratégias para a proteção e irrigação dos canteiros; parceria com empresas locais; definição de espécies e das próximas áreas públicas a serem beneficiadas; e as formas de aquisição de mudas por meio do acervo do Horto Escola Artesanal, de doações ou, ainda, por medidas compensatórias ambientais. Na ocasião, também foi apresentada a versão impressa do projeto, contendo informações como o levantamento de custos, planos de ação, conceitos, objetivos e a metodologia de trabalho. “A nossa proposta é de construção coletiva e todas as ideias são bem-vindas”, destacou o biólogo da Sagat, Flávio Gomes, um dos integrantes do GT-Arvorecer.



Também estiveram presentes no encontro a veterinária da Sagat, Ana Carolina Leitão; a fiscal de Meio Ambiente da Sealps, Daiana Cabral; o empresário Peter Dam; e o professor das Escolas do Campo da Secretaria Municipal de Educação, Ubirajara Ramos Barenco.


]]>

Deixe um comentário

Fechar Acessibilidade