Exposição de bordados na Casa da Cultura termina nesta sexta-feira (1)

Os visitantes poderão conferir de perto os trabalhos e adquirir artigos artesanais a preços simbólicos entre 9h e 17h

Termina, nesta sexta-feira (1), a exposição “Bordando o Sonho, a Flor e a Casa”, na Casa da Cultura Gabriel Joaquim dos Santos. A entrada é gratuita e o espaço funciona das 9h às 17h. Os visitantes poderão conferir de perto as mais de 60 telas bordadas à mão pelo coletivo das Bordadeiras de São Pedro da Aldeia – os trabalhos homenageiam a vida e obra do renomado artista popular aldeense, criador da Casa da Flor e patrono da Casa da Cultura. Também é possível adquirir artigos artesanais, como toalhas de mão, chaveiros e enfeites, a partir de R$ 2.

Telas foram bordadas à mão por artesãs aldeenses
Foto:
Divulgação/Cultura PMSPA

Para a artesã e uma das fundadoras do coletivo, Rosângela Guimarães, o sucesso da exposição é resultado da dedicação das artesãs e do apoio dado pela Secretaria Adjunta de Cultura ao projeto. “Essa exposição trouxe uma valorização muito grande da arte do bordado e das bordadeiras, que se sentiram empoderadas, felizes e orgulhosas de verem o seu trabalho sendo divulgado. Por causa desse evento, já fomos convidadas para expor em uma feira de Búzios. Além disso, também estamos conseguindo vender algumas peças, o que está sendo muito importante para o trabalho social que fazemos com o Bordado Solidário, arrecadando dinheiro para a compra de alimentos e cobertores para famílias necessitadas. A gente só tem a agradecer à Secretaria de Cultura, ao secretário Thiago, pelo apoio e pelo espaço aberto para as artesãs”, disse.

Venda de produtos artesanais tem valor revertido em ações sociais
Foto:
Divulgação/Cultura PMSPA

Na Casa da Cultura, as telas em bordado resgatam a história de Gabriel Joaquim dos Santos e da Casa da Flor – edificação de arquitetura única, construída pelo artista no século XX e tombada como patrimônio cultural em nível estadual e federal. Os desenhos, feitos com linhas, tecido e agulha, foram confeccionados pelo grupo de artesãs durante o período de isolamento social.

Telas retratam a figura de Gabriel e os diversos elementos que compõem a Casa da Flor, seu maior legado no município
Foto:
Divulgação/Cultura PMSPA

Um dos destaques da exposição são as chamadas “Narrativas Bordadas”, que reproduzem, fio a fio, as páginas dos cadernos de “seu Gabriel”, escritos entre 1920 e 1980. Nas anotações, que se transformaram em documento histórico, o artista relatava fatos do cotidiano, da comunidade onde vivia, no Vinhateiro, e marcos da história regional, das condições de trabalho nas Salinas e as lutas trabalhistas da época.

Bordados reproduziram as páginas dos cadernos do artista
Foto:
Divulgação/Cultura PMSPA

A fonoaudióloga Giane Couriel é fã de artesanato e fez questão de visitar a exposição nesta semana. “A mostra me tocou especialmente, porque o bordado é uma arte rica demais e bordar a Casa da Flor foi muito especial. São muitos detalhes para observar, muita delicadeza. Eu não sei bordar, mas sinto que é uma arte que exige muita dedicação e amor”, disse.

Giane Couriel prestigiou a exposição esta semana
Foto:
Divulgação/Cultura PMSPA

Toda a trajetória das artesãs para retratar a vida e obra de Gabriel Joaquim dos Santos está documentada no livro homônimo, lançado este ano pelo coletivo das Bordadeiras, com financiamento cultural da Lei Aldir Blanc. A obra literária também está exposta na Casa da Cultura e pode ser consultada gratuitamente na Biblioteca Municipal.

Livro lançado pelo coletivo documentou a trajetória das artesãs para retratar a vida e obra de Gabriel Joaquim dos Santos
Foto:
Bruninho Volotão

Do bairro Poço Fundo, o aposentado Adilson de Souza também visitou a exposição recentemente e elogiou a iniciativa. “Hoje também sou artesão, faço entalhe e desenhos em madeira. Sempre passo por aqui e quando vi essa exposição, fiquei encantado. Está tudo muito bonito e sei o trabalho que dá para fazer uma peça. É muito importante ter um espaço como esse, não só para o artesão, mas para todas as pessoas que gostam e querem admirar o artesanato local”, destacou.

O artesão Adilson de Souza elogiou a exposição
Foto:
Divulgação/Cultura PMSPA

A decoração conta ainda com a presença de uma maquete da Casa da Flor e de uma escultura feita pelo artista plástico Flávio Rangel, que reproduz a pedra esculpida pelo próprio Gabriel, na entrada do monumento. Os visitantes também podem experimentar a prática do bordado, de forma lúdica, em um grande bastidor instalado no salão da Casa da Cultura.

Foto: Karol Giordano/Cultura PMSPA

Agradecemos por participar do Censo LGBTQIA+

As informações coletadas serão importantes para quantificar a demanda de atendimento por parte da Secretaria de Assistência Social para a população LGBTQIA+

Se você deseja fazer um agendamento para atendimento com a nossa coordenadoria LGBTQIA+ Clique Aqui