GT-Aroeira se reúne em Niterói para discutir novas ações em prol da cadeia produtiva da pimenta rosa

A expansão do trabalho com a aroeira de São Pedro da Aldeia foi tema de mais uma reunião realizada na última segunda-feira (15) na Secretaria de Estado de Agricultura e Abastecimento, em Niterói. O encontro foi uma iniciativa do GT-Aroeira e reuniu técnicos e gestores da Prefeitura de São Pedro da Aldeia, do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar-RJ), do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz/Petrópolis), do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado (Emater-Rio). Entre as ações discutidas pelo grupo, estiveram um programa de incentivo ao plantio em novas áreas; os avanços na unidade de beneficiamento construída no município, em fase final de obras no Assentamento Ademar Moreira; a realização de um seminário técnico estadual e uma nova análise química das espécies em laboratório.

Foto: Divulgação

Presente no encontro, o secretário de Agricultura, Abastecimento, Trabalho e Renda aldeense, Dimas Tadeu, fez uma avaliação das discussões. “A reunião foi muito boa, nós apontamos todo um calendário de trabalho que nós pretendemos iniciar nesse segundo semestre e início do ano que vem. Queremos ampliar o projeto para outras áreas do nosso município e também para cidades vizinhas, tendo São Pedro da Aldeia como piloto. Temos avançado muito com a implementação da unidade de beneficiamento da aroeira, a realização das análises químicas periódicas pela Fiocruz, além da capacitação e certificação dos produtores pelo Senar, em um esforço coletivo de todas as instituições parceiras dentro do GT. Esse ano a gente obteve excelentes resultados com os produtores do Assentamento Ademar Moreira que, praticamente, já conseguiram dobrar a sua receita e acessar novos mercados através de um produto de melhor qualidade”, disse.

Foto: Divulgação

Durante a reunião, os integrantes do GT discutiram a organização de um seminário de nivelamento sobre o projeto da aroeira de São Pedro da Aldeia, com a participação de técnicos de Alagoas, Espírito Santo e Santa Catarina. A iniciativa será voltada a profissionais de pesquisa, extensionistas e gestores das secretarias de Agricultura, visando a qualificação e disseminação do trabalho em prol do fortalecimento da cadeia produtiva da pimenta rosa em todo o Estado. O encontro está previsto para acontecer no mês de outubro, no Rio de Janeiro.

Foto: Divulgação

Na oportunidade, o pesquisador e analista da unidade especial da Fiocruz em Petrópolis, Sérgio Monteiro, abordou os resultados da primeira análise química das amostras de aroeira coletadas na reserva florestal legalizada do Assentamento Ademar Moreira. O laudo comprovou as potencialidades medicinais, condimentares e cosméticas da planta, rica em princípios ativos e poder antioxidante.

Foto: Renato Fulgoni

Segundo Dimas, a previsão é de que uma nova análise em laboratório seja realizada ainda este mês, com foco nas amostras do primeiro lote comercializado, colhido no final da safra. “A partir de todas essas análises nós estamos discutindo a possibilidade futura de trabalharmos com o processamento da aroeira para extração dos óleos essenciais e dos hidrolatos, dentro da unidade de beneficiamento do Assentamento”, complementou o secretário.

Foto: Renato Fulgoni

Com cerca de 100 metros quadrados de área construída, o galpão que abriga o Centro de Beneficiamento Primário da Aroeira fica localizado anexo à sede do Assentamento, no bairro São Mateus. Ainda em fase final de obras e instalações elétricas, a estrutura já entrou em funcionamento com etapas de tratamento do fruto pós-colheita. No local, os grãos são extraídos, selecionados e colocados para secar. Visando aprimorar o processo e elevar a qualidade da produção, os produtores assentados foram contemplados com insumos básicos, embalagens e equipamentos industriais, entre eles um secador mecânico com circulação de ar forçada, um medidor de umidade e um classificador de sementes. A aquisição dos materiais e do maquinário foi feita com recursos do Programa Estadual Rio Rural.

Foto: Renato Fulgoni

Em São Pedro da Aldeia, cerca de 90% da produção de aroeira é voltada para a fabricação de condimentos. No entanto, a qualidade do produto, aliada ao trabalho organizado pelo GT-Aroeira, tem ampliado as oportunidades de negócios para os produtores para além do ramo gastronômico. Em 2018, os agricultores da Associação de Lavradores do Assentamento fecharam a primeira compra de 100 quilos do produto junto a uma rede de lojas de cosméticos orgânicos, a Cativa Natureza, sediada em Curitiba. 

Foto: Lis Bartalini

Este ano, os assentados puderam ter contato com as primeiras amostras de produtos orgânicos à base da aroeira formulados pela empresa: o shampoo sólido e o extrato fluido de pimenta-rosa. As amostras foram apresentadas em uma das maiores feiras de bioeconomia do país, a Green Rio 2019. O shampoo em barra, classificado como produto orgânico e vegano, já foi lançado no mercado e está disponível para compra em todo o Brasil, no site da Cativa, com parte do lucro das vendas direcionado para os produtores aldeenses.

Também participaram da reunião em Niterói os representantes do MAPA, Ludimila Gaspar e Pedro Paulo Cattete; do Senar-RJ, Raquel Lima e Marcos André Lima; da Emater-Rio, Herval Fernandes, Marília Grasiela Oliveira e João Batista Alves; do Incra, Ricardo Muniz, Eloah Castro e Paulo Aécio; e da Secretaria de Agricultura, Abastecimento, Trabalho e Renda de São Pedro da Aldeia, Flávio Gomes.

Comentários estão desabilitados

Fechar Acessibilidade