A Prefeitura de São Pedro da Aldeia promoveu, na última sexta-feira (01), uma reunião com representantes de instituições sociais, técnicos, especialistas e proprietários de hortos para discutir um projeto de arborização e recomposição paisagística em praças e espaços públicos do município. Batizado de “Arvorecer”, o projeto visa a melhoria nas condições do meio ambiente, além da valorização das áreas urbanas aldeenses, por meio do plantio de mudas de árvores nativas. Participaram do encontro os secretários de Governo, Eronildes Bezerra; Agricultura, Abastecimento, Trabalho e Renda, Dimas Tadeu; Ambiente, Lagoa, Pesca e Saneamento, Luciano Pinto; Urbanismo e Habitação, Liane Martins.



O secretário de Governo, Eronildes Bezerra, agradeceu a parceria de todos e enalteceu a importância do trabalho em conjunto. “Quando pensamos nesse projeto, a nossa proposta foi deixar um legado para São Pedro da Aldeia, para as gerações futuras, e construir algo que daqui a 10 ou 15 anos vai contribuir para a melhoria da nossa cidade. Um município sem área verde não tem sentido e cada dia eu tenho mais certeza da importância da corresponsabilidade. Esse é um trabalho sério que será feito a várias mãos, entre Poder Público, sociedade e iniciativa privada, e que depende de muita dedicação. Para isso, contamos também com o engajamento e a conscientização de toda a sociedade na preservação e manutenção desse trabalho”, disse.



Entre os principais benefícios, estão a contribuição para a estabilidade climática, melhoria da qualidade do ar e das condições do solo urbano, manutenção da diversidade da fauna e da flora, além do papel paisagístico, ecológico e do bem-estar social. A educação ambiental para a gestão e conservação da arborização urbana também foi tema de discussão.



Especialista na área de planejamento de cidades e voluntário em projetos sociais da cidade, Osvaldo Ramalho é um dos profissionais envolvidos no projeto. “Um projeto como esse é lento e contínuo, mas é algo totalmente possível e a cidade ganha muito quando se melhora o seu ambiente. Isso impacta no aumento do nível da qualidade de vida e até na vontade das pessoas em participar mais da vida social”, destacou.



As próximas etapas do projeto incluem um estudo técnico para determinar as espécies arbóreas a serem plantadas, quantidade, definição das localidades e estudo prévio de características, estratégias de espaçamento, manutenção e poda periódica, análise dos aspectos da composição paisagística das áreas escolhidas com foco no desenvolvimento adequado das mudas, o trabalho de mobilização, fiscalização e engajamento popular, o incentivo ao plantio voluntário, entre outros requisitos.



Na ocasião, o secretário de Agricultura, Abastecimento, Trabalho e Renda, Dimas Tadeu, falou sobre o projeto de distribuição de mudas nativas já realizado pelo município, através do Horto Escola Artesanal. No último ano, mais de 10 mil espécies, entre hortaliças, frutíferas e florestais, já foram doadas pelo Horto Municipal, tanto individuais ou em apoio a iniciativas e ações promovidas por entidades sociais, secretarias municipais, escolas, igrejas, universidades, produtores rurais e Associações de Moradores do município, como no caso da Associação do bairro Balneário São Pedro. Somente no bairro, cerca de 60 exemplares nativos já foram doados e plantados, em parceria com a Associação, visando atender à necessidade de cercamento e delimitação da orla da praia, além de compor a paisagem natural da região.



De acordo com o secretário de Agricultura, a intenção é começar os mutirões de plantio em áreas públicas que já contam com cultivo, visando intensificar o trabalho. “Hoje temos um parceiro, que é a Associação de Moradores do Balneário São Pedro, onde já está sendo feito um trabalho de recomposição paisagística da orla. A intenção é que possamos dar um apoio maior a essas iniciativas e ampliar a visibilidade dessas ações. Nós acreditamos muito nesse projeto e ficamos felizes de ver o envolvimento de todos esses parceiros, que são Ongs, clubes de serviços, comerciantes e técnicos da área. O processo de educação ambiental é fundamental e deve ser um compromisso de todos. Esse é um trabalho que vai muito além do paisagismo da cidade, mas é voltado principalmente a minimizar os efeitos do aquecimento e do rigor climático, tornando o nosso município muito mais aprazível e atrativo”, afirmou.


Paisagista e proprietária do horto Jardim Park, instalado no município, Shirley Francisconi se colocou à disposição. “A ideia é excelente e agora vamos trabalhar para avançar com esse projeto e termos resultados. Essa é a hora de nos juntarmos e nos organizarmos. Nós temos aqui forças de ação para colocar isso em prática e eu estou à disposição para ajudar no que for preciso”, ressaltou.


Na oportunidade, o diretor técnico do grupo Escoteiros de São Pedro da Aldeia, Luiz Carlos Lobo, também abordou as diversas atividades e práticas ambientais voluntárias já desenvolvidas pelo movimento, como os mutirões de ação ecológica com limpeza e replantio, e as formas de apoio ao projeto, tendo como foco o envolvimento dos escoteiros mirins, pais, familiares e amigos.


Também participaram da reunião o ambientalista, Isaías Andrade, do município de Araruama; a chefe sênior do grupo Escoteiros de São Pedro da Aldeia, Josiane Moraes; o proprietário do horto Oficina da Natureza, Jorge Luiz Cruz, além do técnico agrícola e do biólogo da Secretaria Municipal de Agricultura, Frederico Bandeira e Flávio Gomes.

]]>

Deixe um comentário

Fechar Acessibilidade