Projeto da aroeira é apresentado à Superintendência Federal de Agricultura no Rio de Janeiro


O secretário de Agricultura, Abastecimento, Trabalho e Renda, Dimas Tadeu, participou de uma reunião técnica no gabinete da Superintendência Federal de Agricultura no Estado do Rio de Janeiro. O encontro teve como objetivo discutir propostas para o fortalecimento da política para as plantas medicinais e fitoterápicos e de produtos extrativistas de interesse comercial da agricultura familiar. Na ocasião, o secretário municipal, ao lado dos demais integrantes do Grupo de Trabalho da Aroeira, apresentou aos novos gestores federais os avanços já obtidos com o projeto pioneiro em prol do desenvolvimento da cadeia produtiva da pimenta rosa em São Pedro da Aldeia.



O secretário de Agricultura, Abastecimento, Trabalho e Renda, Dimas Tadeu, destacou a participação na reunião. “Tivemos a oportunidade de apresentar o projeto da aroeira aos novos integrantes do Ministério da Agricultura e Pecuária, dentro dessa nova divisão das secretarias que atendem ao setor agropecuário. Foi uma excelente chance para que pudéssemos interagir, buscar novas parcerias e expor as conquistas que tivemos com o nosso projeto piloto, como resultado de uma construção coletiva do GT-Aroeira. A gente vem trabalhando com o Assentamento Ademar Moreira há bastante tempo, ajudando a Associação na regulamentação e regularização dessa atividade. Com os avanços e todo o acompanhamento que temos feito, nós teremos tamanha informação sobre a aroeira que, em breve, vamos trabalhar com total segurança, oferecendo um produto exportável, com garantias para o mercado e novas oportunidades de negócio para os nossos produtores familiares”, disse.



Em São Pedro da Aldeia, o projeto pioneiro em prol do desenvolvimento da cadeia produtiva da aroeira envolve a participação de representantes de 17 instituições de diversos setores, governamentais e não governamentais, pesquisadores, especialistas, técnicos e botânicos. Entre as conquistas já obtidas, destaque para a elaboração do primeiro Plano Florestal Sustentável do Estado, para o manejo e cultivo da planta, aprovado pelo Instituto Estadual do Ambiente (Inea-RJ), a certificação dos produtores rurais do Assentamento Ademar Moreira em curso de manejo e boas práticas, aplicado pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar-RJ), e no curso “Negócio Certo Rural”, fruto de uma parceria entre o Poder Público municipal, Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), Sindicato Rural de Araruama e Senar. Além disso, o município também foi o primeiro, em todo o Estado, a inaugurar um Centro de Beneficiamento Primário da Aroeira, com recursos do Programa Rio-Rural da Secretaria de Agricultura e Pecuária do Estado do Rio de Janeiro/EMATER-RIO. A construção das instalações físicas do Centro já está em fase final.



De acordo com o diretor do Departamento de Estruturação Produtiva da Secretaria de Agricultura Familiar e Cooperativismo do MAPA, Avair Miranda Junior, conhecer os projetos existentes no setor é fundamental para a formulação de políticas públicas. “A questão do manejo de produtos da sociobiodiversidade ainda é um campo novo que nós precisamos ter conhecimento. Em São Pedro da Aldeia, essas pessoas que fazem uso desse produto da biodiversidade brasileira já estão na estrada há algum tempo, então é muito importante nós aprendermos com quem já está fazendo. Dessa forma, vamos poder identificar quais ações nós poderíamos entrar para poder auxiliar nesse processo e fortalecer essa cadeia, para que ela possa ocupar o seu espaço no mercado brasileiro”, afirmou.



Durante o encontro no gabinete da Superintendência, o coordenador do setor de Plantas Medicinais da unidade especial da Fiocruz em Petrópolis e um dos integrantes do GT-Aroeira, Sérgio Monteiro, apresentou o laudo técnico botânico e os resultados da primeira análise química das amostras de espécies de aroeira coletadas em 2018 na reserva florestal legalizada existente no Assentamento Ademar Moreira, no bairro São Mateus. O objetivo foi demonstrar o potencial medicinal e comercial da planta, que é rica em princípios ativos, com destaque também para o uso culinário. Todos os exemplares vegetais coletados na área do Assentamento, acondicionados em exsicatas, já foram tombados e encontram-se no acervo do herbário do Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro.


Na ocasião, foi discutida, ainda, a possibilidade de inserção da aroeira na Política de Garantia de Preços Mínimos para os Produtos da Sociobiodiversidade (PGPM-Bio), a partir da elaboração de estudos técnicos e do levantamento de custos de produção, em um trabalho a ser conduzido pela Companhia Nacional de Abastecimento (CONAB). A empresa é responsável por oferecer, ao Governo Federal, informações técnicas para embasar a tomada de decisões quanto à elaboração de políticas voltadas à agricultura. “A CONAB trabalha com políticas públicas de incentivo ao extrativismo. A ideia é propor uma inserção da pimenta rosa no PGPM-Bio para que a gente consiga trazer uma subvenção, uma ajuda de custo para os extrativistas do município. Para isso, é primordial entender como funciona essa cadeia produtiva da aroeira”, destacou a engenheira agrônoma do setor de Apoio a Logística e Gestão da Oferta da Conab, Ana Paula Pereira de Lima.


Visando ampliar a visibilidade do trabalho com a aroeira, também foi proposta a instalação de um estande para a exposição do produto e do projeto na Green Rio 2019, a maior feira de produtos orgânicos, cosméticos e bioeconomia do país. O evento, de abrangência internacional, reúne expositores, palestrantes e representantes da Economia Verde, dos setores orgânico e sustentável, além de rodadas de negócios. Este ano, a oitava edição da feira vai acontecer dos dias 23 a 25 de maio, das 10h às 18h, na Marina da Glória, no Rio de Janeiro.


A pauta do encontro incluiu, ainda, a apresentação dos participantes; novos integrantes, estrutura e diretrizes de trabalho do Departamento de Estruturação Produtiva da Secretaria de Agricultura Familiar e Cooperativismo, da Coordenação-Geral de Extrativismo e da Coordenação de Articulação e Apoio ao Extrativismo; orçamento e plano orçamentário; expectativa para a Divisão de Política, Produção e Desenvolvimento Agropecuário (DPDAG-RJ); projetos da Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos (PNPMF), arranjos produtivos locais; organização de produtores e articulações para o Programa Farmácia Viva.


Participaram da reunião o superintendente do Ministério da Agricultura no Rio de Janeiro, Gilberto Alencar; o coordenador geral de Extrativismo do Departamento de Estruturação Produtiva da Secretaria de Agricultura Familiar do MAPA, Marco Pavarino; a coordenadora geral do GT-Aroeira e auditora fiscal do MAPA, Ludmila Gaspar; o organizador do Planeta Orgânico/Green Rio e idealizador de projetos agrosustentáveis, Álvaro Werneck; além de colaboradores da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e técnicos da DPDAG-RJ, Conab, EMATER-ARIO e da Coordenação de Articulação e Apoio ao Extrativismo.

]]>

Deixe um comentário

Fechar Acessibilidade