Categorias

Rede de Saúde Mental disponibiliza serviços psicossociais e terapêuticos com atendimento multidisciplinar

No mês em que é celebrada a conscientização sobre o adoecimento emocional, o “Janeiro Branco”, prefeitura pontua as ofertas voltadas à especialidade

O mês de janeiro é marcado pela conscientização sobre a importância da saúde mental. A campanha “Janeiro Branco” busca combater os tabus e orientar os indivíduos sobre o adoecimento emocional, que gera impactos preocupantes tanto na qualidade de vida individualizada, quanto no convívio coletivo. Em São Pedro da Aldeia, o programa municipal de Saúde Mental oferece serviços psicossociais e terapêuticos com atendimentos multidisciplinares, proporcionando melhor qualidade de vida a mais de 3 mil pacientes.

O Programa de Saúde Mental foi implantado há 20 anos no município. O serviço integra a Rede de Atenção Psicossocial (RAPS), instituída pelo SUS, e efetiva atendimento intersetorial e intrasetorial aos pacientes. Sendo assim, o trabalho mobiliza várias áreas da rede municipal de saúde e demais setores da administração pública, como equipes de Assistência Social, Educação e Esportes, visando ao melhor tratamento dos casos.

Atualmente, os atendimentos promovidos pelo Programa de Saúde Mental estão concentrados no Centro de Atendimento Psicossocial (CAPS), Centro de Atendimento Psicossocial Infanto-juvenil (CAPSi), Núcleo de Atendimento à Violência Intrafamiliar (NAVI) e Ambulatório de Saúde Mental. O serviço ainda conta com a Residência Terapêutica (RT), que oferece moradia permanente a usuários específicos do programa.

Os atendimentos são ofertados por profissionais de várias especialidades, como médicos psiquiatras, psicólogos, enfermeiros, assistentes sociais, terapeutas ocupacionais, instrutores de oficinas terapêuticas, técnicos de enfermagem e fonoaudiólogos, além de equipes administrativas e de manutenção dos espaços.

A psicóloga Rosemary Calazans Cypriano, que está à frente do programa há 16 anos, destaca que a iniciativa exerce um verdadeiro trabalho em rede especializada, realizando acolhimento e acompanhamento em várias esferas. “Atuamos com atendimento individual e em grupo, e auxiliamos, também, às famílias dos usuários, desenvolvendo essa rede de cuidados completa aos pacientes. A nossa equipe multidisciplinar garante além do atendimento médico, um trabalho técnico em vários âmbitos, pois entendemos que saúde não é ausência de doença, mas sim o bem-estar físico, psíquico e social, como recomenda as diretrizes da Organização Mundial de Saúde”, contou. 

A diretora do programa também ressalta que os atendimentos garantem os direitos essenciais dos usuários, desenvolvendo a inserção deles no convívio social. “Acolhemos e acompanhamos todos os pacientes, de acordo com o projeto terapêutico desenvolvido para necessidade de cada um, de forma criteriosa e compartilhada. Diariamente realizamos as atividades a fim de não afastá-los do convívio social e garantir o tratamento em liberdade e aumento da qualidade de vida”, informou. 

Interessados em receber os atendimentos do programa devem procurar as redes primárias de Saúde municipal, como as Unidades de Saúde Básica (UBS) e Estratégia Saúde da Família (ESF). Os casos serão acolhidos, analisados e encaminhados para a rede especializada, que desenvolverá todos os procedimentos necessários de serviços multidisciplinares. O programa também recebe pacientes de demandas espontâneas. 

Campanha Janeiro Branco

A campanha é um movimento formado por voluntários de todo Brasil que se engajam para disseminar informações e dados sobre saúde mental. O objetivo é falar sobre a importância da construção de uma cultura voltada ao tema. Ela foi idealizada para o primeiro mês do ano a fim de aproveitar esse momento de reflexão e de planejamento atrelado à simbologia de recomeço.

A Saúde Mental e o bem-estar humano são vistos como uma necessidade coletiva, fazendo parte do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS 3), da Fundação das Nações Unidas. 

Conscientização nas redes sociais

Nesta sexta-feira (29), a página oficial da Prefeitura de São Pedro da Aldeia no Facebook exibirá, às 21h, um vídeo em alusão à campanha Janeiro Branco. A produção conta com a participação das psicólogas da rede municipal de saúde Rosemary Calazans Cypriano e Cecília Ferreira. Serão abordados os cuidados com a saúde mental no período de pandemia, além de uma explicação sobre os dispositivos de saúde voltados ao tema disponíveis para a população. 

O que faz cada dispositivo aldeense de Saúde Mental?

O Centro de Atendimento Psicossocial (CAPS)

O CAPS acolhe pacientes a partir dos 18 anos com transtornos mentais graves e persistentes de forma intensiva ou em situações de crise psiquiátrica. Os cidadãos atendidos no dispositivo possuem um projeto terapêutico singular – PTS, que indica os dias da semana que precisarão comparecer ao centro, quais atividades serão realizadas e a intensidade do tratamento, além da realização de grupos e oficinas. 

Centro de Atendimento Psicossocial Infanto-juvenil (CAPSi)

O Centro de Atenção Psicossocial Infanto-juvenil é um dispositivo que acolhe crianças e adolescentes com transtornos mentais graves e persistentes e em risco psicossocial. Assim como o CAPS, os pacientes atendidos também possuem um projeto terapêutico singular. O acolhimento e a triagem são realizados de forma multiprofissional e acontecem diariamente no local. 

Residência Terapêutica (RT)

A residência terapêutica é uma casa destinada ao acolhimento de moradores que passaram por um longo período de internação psiquiátrica. Entre as atividades realizadas, está a ação de contextualização que procura inserir nos moradores as noções que foram perdidas com a internação de cada pessoa. Por meio do trabalho realizado pelos profissionais da unidade, os moradores readquirem o direito de ir e vir, antes perdido pela exclusão do convívio social. 

Núcleo de Atendimento à Violência Intrafamiliar (NAVI)

O NAVI atende e acompanha pacientes vítimas de abuso intrafamiliar, que consiste em qualquer tipo de relação de abuso praticado no contexto privado da família que prejudique o bem-estar, a integridade física, psicológica ou a liberdade e o direito ao pleno desenvolvimento. Os objetivos específicos são acolher o usuário da forma mais precoce possível, desenvolver matriciamento junto às unidades de saúde para melhor atender ao usuário, notificar todos os casos, intensificar as ações de saúde voltadas à prevenção de riscos e danos à população em risco de violência e trabalhar de forma intersetorial. 

Ambulatório de Saúde Mental

O local presta serviços voltados para os casos de baixa complexidade e que não ofereçam risco imediato à vida do paciente. A equipe é composta por médico psiquiatra, psicólogas, fonoaudióloga e assistência social. 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email
Fechar Acessibilidade